terça-feira, 21 de setembro de 2010

Dinheiro fácil

Certa vez conheci no exterior, uma pessoa do Brasil, com um ótimo poder aquisitivo. Tinha posses e uma vida muito tranqüila. Aos poucos, fomos nos conhecendo melhor, e fui percebendo que não existia efetivamente uma atividade em sua vida.
A principio imaginei que se tratava de algum herança, que por ser de grande volume, proporcionava uma vida boa, sem a necessidade de trabalho.
Mas foi então que percebi que a família era humilde, e a infância havia sido dura.
Após certa intimidade que nossa amizade proporcionou, fiquei sabendo que seus bens eram oriundos de um feliz acerto de megasena.
Sendo uma pessoa culta, com uma formação acadêmica boa e com boa índole, facilmente fez o milagre da multiplicação, com bons investimentos e aplicações.
Hoje vive de renda, tem viagens constantes, e toda sua família desfruta de uma vida agradável.



A historia que relato é fictícia, mas acho que a maioria dos ganhadores tentam usar o anonimato para sua própria proteção, e aos poucos deixam o dinheiro chegar nas mãos das pessoas ao seu redor.
A ganância e o desejo pelo dinheiro pode transformar até o ser humano acima de qualquer suspeita.

Mas também me pergunto: será que existem os que gastaram tudo, não souberam investir, e ainda deixaram seus filhos sem nada? ao ponto de não garantir nem a sua educação?
Ou ainda, uma pessoa que nunca teve dinheiro, consegue fazer com que a sensação de poder não lhe suba a cabeça?

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Universo feminino em Ação

Apesar de parecer uma atividade complexa e desinteressante ao universo feminino, tenho percebido cada vez mais interesse das mulheres no setor financeiro.
Atividades sistemáticas, complexas e com muitas regras fazem parte do cotidiano da Mulher, que é esposa, mãe, dona de casa e trabalha fora.


E se analisarmos melhor, as mulheres gostam muito de gastar dinheiro no dia-a-dia, com beleza e compras de acessórios. Nada melhor do que estudar e aprender aplicar seu dinheiro em ações, e aumentar seus rendimentos para poder gastar mais na sua rotina.


Já que ler e estudar são atividades cotidianas para mulheres tão versáteis, nada mais simples do que ler, estudar e entender como funciona o mercado de ações.


Estou há poucos meses estudando sobre a bovespa, lendo, participando de foruns, chats, assistindo palestras e buscando ferramentas que ajudem no meu desenvolvimento financeiro.
Cada vez mais vejo que o processo é simples, desde que se tenha conhecimento. Se nós tivessemos essa orientação financeira mais cedo, desde a escola por exemplo, estaríamos em um patamar muito mais elevado em termos de investimentos.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Meu caso com o cartão VISA

·         Maio
o    Fraude detectada
o    Contato com a operadora de cartão de credito VISA
§  Mais de 1(uma) hora no telefone
§  Envio de Fax para setor especializado
§  Email de confirmação de dados
§  Telefonema de confirmação de recebimento
§  Cartão Multiplo (saque de conta bancaria e cartão de credito) cancelado, um novo foi solicitado
§  Na data do vencimento da fatura, efetuado pagamento apenas do valor que me era devido
·         Junho
o    Recebi mensagem confirmando que a fraude realmente aconteceu, e que os valores estavam sendo estornados
o    Ainda sem meu cartão, fui informada que o mesmo tinha sido extraviado, novo cartão solicitado (estanho porque as cartinhas de cobranças e ameaças não foram extraviadas)
o    Chegada a fatura desse mês, os créditos da fraude estavam lá, porem, veio uma exorbitante cobrança de IOF, Taxa de uso de moeda estrangeira, Diferença da Cotação em Dolar e Juros Sobre o valor não pago no mês anterior (aquele valor da fraude..)
o    Novo telefonema, mais 50 minutos com um atendente que não sabe nem o que está fazendo lá.
o    Comecei receber cartinhas intimidadoras sobre meu atraso no pagamento
o    Recebi também, constantemente, ligações do tumultuado setor de cobrança do VISA (parece que os atendentes estão te ligando de dentro do barracão de uma escola de samba):
§  Atendentes mal treinados
§  Pouca informação nas mãos (depois descobri que eles tem acesso a tudo, mas mecanicamente ligam e cobram, como se não soubessem de mais nada)
§  Mentirosos (quando questionei se ela não estava vendo todo meu processo na tela, ela disse que não tinha acesso a nada, nem mesmo ao meu número de telefone.. então desliguei para aguardar os prazo de regularização solicitado nos telefonemas anteriores, e para minha surpresa o telefone voltou a tocar da central de cobrança, incansalvelmente..)
§  Sem educação
o    Novo telefonema a central de relacionamento ao cliente informando todo processo (mais 50min). Fui informada que todo processo estava lá, sendo analisado, e que pediam desculpas pelo inconveniente da central de cobrança. Seria encaminhado com urgência uma solicitação de cancelamento do pedido
·         Julho
o    Ainda sem cartão. Solicitei novamente, mas percebi que seria inútil. Fui até a minha agência Unibanco e peguei o cartão de débito.
o    Mais cartinhas de cobrança chegando (ainda tenho algumas comigo)
o    Mais telefonemas do setor cobrança (aqueles que parecem originados de um circo, e a palhaça do outro lado da linha)
o    Uma notícia boa nesse mês: foi meu aniversário!!
o    E qual foi o meu presente?? Fatura do mês. Adivinha? Novamente a cobrança indevida..
o    Chega então uma cartinha diferente: SERASA
o    Mais um telefonema, dessa vez bem maior que 50min (devia ter pagado a diferença logo.. gastei tudo em telefonemas)
o    As mesmas promessas se repetem, e pedem pra aguardar que mês seguinte tudo estará normalizado
o    Paguei somente o que era devido
·         Agosto
o    Nada mais de cartinhas (bom, né?)
o    Nada mais de telefonemas de cobrança
o    Também, nada ainda do meu cartão de crédito
o    Chega minha fatura. Novidade? Nenhuma! Veio novamente a mesma cobrança indevida (aquela que relatei em junho)
o    Novo telefonema para Visa. Mais 50 minutos.

Espero ter sido meu ultimo telefonema para a VISA. Agora fico sendo refém da empresa apenas por causa dos cartões de débito.
Caso mês que vem o problema continue, vou procurar meus direitos. Sei que já tenho direitos pelos fatos ocorridos, mas não sei bem o que fazer. Aceito orientações.

Fernanda Suraci
@fernandasuraci

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Um pouco de incoerência

Vejo com freqüência grandes palestrantes, gestores de carreira, coaching e outros incentivadores afirmarem que é preciso gostar do que faz para se obter sucesso na vida.

Sempre tive isso em mente, até que recentemente ouvi um trecho de uma entrevista antiga de Monteiro Lobato a uma rádio. Assim como a maioria todas as pessoas da minha faixa etária, sempre fui fã de suas historias e cresci assistindo o sítio do pica pau amarelo. Mas me intrigou o que ele disse, quando lhe perguntaram qual era seu personagem favorito. Ele respondeu com ásperas palavras que não tinha nenhum personagem que ele gostasse, mas que analisando contabilmente, a personagem “narizinho” era a melhor de todas, pois foi a que mais lhe rendeu lucros.

Há pouco tempo, em uma emissora de TV a cabo contou a historia do ator Peter Sellers, que ficou muito conhecido após protagonizar o filme da Pantera Cor de Rosa. E entre uma de suas polêmicas frases, disse não saber como as pessoas podiam gostar do trabalho dele, porque ele próprio detestava.


Analisando esses dois casos de homens bem sucedidos em suas carreiras, e que viveram em épocas diferentes, podemos pensar que nem sempre vamos ter aquilo que gostamos na vida, e nem sempre vamos gostar do que fazemos. 

O importante é alguém gostar do seu trabalho. Valorizar o que você faz. De uma maneira ou de outra você aprende a gostar. Seja pelo reconhecimento, seja pelo dinheiro que entra no seu bolso. 

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

A Arte de perder o sono

Dizem que as coisas acontecem por uma razão. Queria descobrir qual a razão de se perder o sono. Qual motivo seu cérebro encontra para justificar horas e horas sem dormir.


Certa vez ouvi que os momentos devem ser aproveitados, e a insônia pode significar que é o momento de aplicar suas habilidades. Grandes músicas, poesias, teses e descobertas aconteceram em uma crise de insônia de seus criadores. 


Ótimo, deve ter chegado meu momento. Só preciso agora descobrir qual será meu feito.
Provavelmente ficará para a próxima noite em claro. Hoje só consigo dizer que está muito frio, e apesar de estar perto de amanhecer, nenhum passarinho se atreveu a levantar.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Bairro de SP desentope canos ao reciclar óleo de cozinha

Bairro de SP desentope canos ao reciclar óleo de cozinha

NotíciaReciclagem de óleoA reciclagem de óleo de cozinha em Cerqueira César, bairro central de São Paulo, baixou em 26% o número de casos de entupimento na rede de esgoto da região entre 2008 e 2009.
Iniciado há três anos, o programa de reaproveitamento tem a adesão de 1.500 dos 1.600 prédios do bairro.




Nesse projeto, os prédios recolhem os restos da fritura nas casas e entregam o material para reciclagem.

Segundo a Sabesp, os pedidos para desobstrução de dutos caíram de 727 para 539.

Além disso, sem tanta gordura descendo pelos ralos, a tubulação de esgoto do próprio prédio fica mais limpa.

O custo geral de um condomínio com serviços de desentupimento chega a cair 50%, estimam as organizações que coletam o óleo.

Waltemir Munhoz, síndico de um prédio na alameda Franca, usa o ganho individual para incentivar a participação na reciclagem.

"Quem faz a reciclagem não tem mais problemas com entupimento de pias." Ele cita ainda o ganho ambiental: "O óleo, quando vai para a rede, acaba servindo de alimento para ratos e baratas".

Célia Marcondes, presidente da Associação de Moradores de Cerqueira César, relata que os zeladores do prédio estão felizes. "Eles dizem que o problema deles, de desentupir a pia das madames, acabou."

Marcondes liderou, em 2007, o programa de reciclagem intensiva no bairro, que depois ganhou a adesão da Sabesp e da prefeitura. Mais  tarde, ela criou a associação Ecóleo para divulgar o projeto para outras cidades.

"Em muitos lugares, essa é uma oportunidade para que postos de trabalho possam ser abertos", diz. "Existem pessoas que coletam milhares de litros de óleo porta a porta e depois revendem."

Hoje, o litro, em São Paulo, é vendido a cerca de R$ 0,90.

Asfixia de peixes
O dano ambiental do óleo ocorre porque muitas pessoas tentam fugir do problema do entupimento. Elas jogam o óleo em vasilhames na rede de água da chuva ou diretamente na terra. Todo o resíduo vai parar em lagos, represas, rios e mares.

"O impacto do óleo no tratamento da água potável é nenhum. Mas, no ambiente, ele pode poluir e matar uma série de organismos", diz Marcelo Morgado, assessor de meio ambiente da presidência da Sabesp.

Segundo o dirigente, apesar da exigência da lei, muitos prédios e casas de São Paulo não têm a caixa de gordura, instalação que evita que o óleo jogado fora chegue à rede da companhia.

Clique aqui para ter acesso a endereços de entrega de óleo de cozinha saturado.

fonte: www.folha.com.br

Cadastre-se para receber novidades por e-mail


retirado do site
http://www.setorreciclagem.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=1030

segunda-feira, 1 de março de 2010

Restituição Inspeção Veicular

Para quem ainda não solicitou a restituição da taxa de inspeção veicular, da cidade de São Paulo, segue algumas dicas.
O processo é simples e feito pela internet. Cadatre-se no site da prefeitura
https://www3.prefeitura.sp.gov.br/devolucao/
image
esse link é direto na restituição. Preencha todos os dados, com número de certificado, ano referente e número do renavan.
Como o número do certificado pode sumir, por estar impresso em papel térmico, o mesmo pode ser resgatado no site da controlar, entrando no link:
http://app.controlar.com.br/agendamento/DadosInspecao.jsf
imageapenas coloque o número do Renavan e o sistema informa o certificado gerado.

Prossiga no site da prefeitura de São Paulo, na pagina seguinte será solicitado dados bancários devolução e contato via email para informações de andamento do processo.
Na página inicial da prefeitura também pode ser consultado andamento do processo, ou alterar dados divergentes.

Fernanda Suraci